O Método ACI e sua aplicação nas doenças crônicas não transmissíveis

13/09/2018

Escrito por

 

Diabetes mellitus tipo 2 (DM2), hipertensão arterial sistêmica (HAS) e dislipidemias são desfechos negativos da saúde humana que os profissionais da área da saúde vêm tentando enfrentar há décadas, por meio de diversas abordagens, afim de garantir a prevenção de suas complicações, qualidade de vida e bem-estar aos seus portadores. No campo da Saúde Coletiva, as representações das doenças crônicas não transmissíveis (DCNT) nos mais variados modelos epidemiológicos demonstram a complexidade, instabilidade e interação de seus fatores de risco e os riscos à saúde humana (MALTA; SILVA, 2013).

 

As inter-relações das dimensões sócio-históricas e dos aspectos simbólicos, culturais e ambientais da vida contemporânea nos mostram que o enfretamento das DCNT é desafiador e evidências científicas têm reforçado que abordagens tradicionais, centradas no indivíduo, não têm sido suficientes, fato refletido pelo aumento exponencial do número de casos de DCNT no Brasil e no Mundo. Dados do Vigitel (Vigilância de Fatores de Risco e Proteção para Doenças Crônicas por Inquérito Telefônico) de 2016 (BRASIL, 2017), por exemplo, apontaram amento de 61,8% de casos de DM2 e o aumento de 14,2% de casos de HAS.

 

No contexto das abordagens tradicionais no campo da Alimentação e Nutrição, a prescrição de dietas é a mais empregada na prática clínica, sendo importante ressaltar que, na maioria das vezes, essa possui caráter restritivo e, ou proibitivo, com foco principalmente na perda de peso, já que, a obesidade é uma das condições clínicas frequentemente associada ao DM2, HAS e dislipidemias. Sabidamente, essa abordagem tem falhado, apresentando baixa adesão e, por muitas vezes, resulta em sofrimento, angústia e frustação para as pessoas portadoras dessas condições (MANN et al., 2007).

 

O foco na doença, na perda de peso e na responsabilização - por vezes culpabilização - única e exclusiva do portador de DCNT precisa ser revisto com urgência, pois senão continuará nos levando, profissionais e clientes, para caminhos cada vez mais frustrantes, com pouco ou nenhum resultado em médio e longo prazo.

 

O atual cenário da prática clínica tem sido marcado por tentativas frustradas do processo terapêutico, com uma “natural” desmotivação tanto do profissional quanto do cliente, como também a busca constante por novas estratégias e abordagens que possam conduzir ao tão desejado caminho da promoção da saúde, da qualidade de vida e do bem-estar físico, mental e emocional. Se é esse o caminho que você, nutricionista, profissional da saúde, está buscando, nós do IACI – Instituto de Alimentação Consciente e Intuitiva – te convidamos a experimentar uma nova trajetória, não prescritiva, voltada ao resgate da conduta nutricional pautada no aconselhamento nutricional, que promova saúde no seu conceito ampliado, bem como uma vida em paz com a comida e com o corpo para seus clientes.

 

Sim, nós do IACI acreditamos que a comida não tem um papel meramente biológico na vida do ser humano e que é possível ressignificar a relação com a comida e com o corpo e promover saúde por meio dos pilares e princípios da alimentação consciente e intuitiva (ACI). Acreditamos ainda que a escuta qualificada, a empatia, o respeito aos saberes, o autocuidado, a autonomia, o apoio social e a visão multidimensional da saúde são fundamentais no processo terapêutico, aspectos esses destacados na Política Nacional de Educação Popular em Saúde (BRASIL, 2016).

 

Enfrentar as DCNT por meio da ACI é “olhar para além da superfície e mergulhar nas raízes do problema”, é apoiar integralmente nossos clientes no processo de “reaprender a ouvir o próprio corpo (observar e interpretar seus mecanismos internos de fome e saciedade), fazer as pazes com a comida, resgatar o prazer de comer, se conhecer, se aceitar, resgatar sua autonomia alimentar e desenvolver um senso crítico em relação às informações sobre Nutrição e os modismos que a acompanham” (PETRY; BRAGUNCI, 2018).

 

O curso “Como aplicar os conceitos da alimentação consciente e intuitiva no trabalho com doenças crônicas não transmissíveis?” realizado no I Encontro de Alimentação Consciente Intuitiva (EACI) em Belo Horizonte, apresenta a fundamentação dessa abordagem não prescritiva, pautada na alimentação consciente e intuitiva e propõe uma forma diferenciada de conduzir o processo terapêutico com portadores de DM2, HAS e dislipidemias, que tanto podem se beneficiar dessa nutrição diferente, mais humana e acolhedora.

 

Referências

BRASIL. Ministério da Saúde. Universidade Federal de Minas Gerais. Instrutivo: metodologia de trabalho em grupos para ações de alimentação e nutrição na atenção básica. Brasília: Ministério da Saúde, 2016.

BRASIL. Ministério da Saúde. Vigitel Brasil 2016 Saúde Suplementar: vigilância de fatores de risco e proteção para doenças crônicas por inquérito telefônico. Brasília: Ministério da Saúde, 2017.

MALTA, D. C.; SILVA JR, J. B. O Plano de Ações Estratégicas para o Enfrentamento das Doenças Crônicas Não Transmissíveis no Brasil e a definição das metas globais para o enfrentamento dessas doenças até 2025: uma revisão. Epidemiologia e Serviços de Saúde, Brasília, v.22, n.1, p.151-164, mar. 2013.

MANN, T.; TOMIYAMA, A. J.; WESTLING, E., LEW, A. M.; SAMUELS, B.; CHATMAN, J. Medicare's Search for Effective Obesity Treatments: Diets Are Not the Answer. American Psychologist, v. 62, n. 3, p.220-233, 2007.

PETRY, N. S.; BRAGUNCI, L. B. Em paz com a comida: um livro de exercícios para eu você deixe de fazer dieta e viva em paz com os alimentos e com o seu corpo. Belo Horizonte, MG, 2018.

 

 

 

Share on Facebook
Please reload

Últimas matér

February 1, 2018

Please reload

Arquivo
Please reload

Tem dúvidas sobre nossas formações ou gostaria de nos contatar? Entre em contato por e-mail ou WhatsApp.

Quer fazer parte da nossa lista de transmissão via WhatsApp e receber todas novidades em primeira mão?

Envie-nos uma mensagem pelo aplicativo solicitando.

* Todos os direitos reservados ao Instituto de Alimentação Consciente e Intuitiva 2019 / CNPJ: 30.569.638/0001-09