Que tal pensar em “como eu como” ao invés de “o que eu como”?