Beleza relativa


A preocupação com o formato do corpo é antiga, sendo vista desde os primórdios. Porém, vemos que os padrões de sofreram várias mudanças nos diversos períodos históricos da humanidade. Por que isso aconteceu? Seria a beleza relativa?

Fazendo uma breve análise em alguns momentos da história podemos observar algumas evidências que justificam essas mudanças. Segunda Amanda Dabéss, historiadora e pesquisadora em Patrimônio Cultural e costumes alimentares, os padrões de beleza sempre foram associados à oferta de alimentos e classe social.

“Na Idade Média, por exemplo, nos períodos de maior escassez de alimentos, a nobreza era quem mais se beneficiava. Nessa época ter um corpo volumoso significava abundância, fartura e riqueza. Enquanto que, a magreza era sinônimo de doença e de pobreza”, diz Amanda. Segundo a historiadora, também após esse período, já na Idade Moderna, “a abundância e a variedade de alimentos, especialmente entre a burguesia mercantil, favoreceu o aparecimento de um padrão que negava a magreza anterior, associada à Peste Negra”. Essa época foi o apogeu das musas renascentistas, bastante curvilíneas, representativas de uma arte considerada bela.

Amanda ainda explica que o final do século XVIII, mesmo com a fartura e abundância de comida proporcionada pelos grandes banquetes, a magreza passou a ser considerada o 'novo' padrão de beleza atingindo, principalmente as cortes europeias. Com a chegada da Revolução Industrial, no século XIX, mudanças relacionadas aos costumes alimentares ocorreram e a epidemia da obesidade teve um crescimento acentuado, tendo reflexo nestas mudanças dos padrões de beleza.

Hoje o acesso aos alimentos de forma abundante e o constante aumento da obesidade têm colocado a magreza e o corpo “esculpido” como um sinal de beleza e auto controle, o que tem feito com que as pessoas estejam investindo tempo em dinheiro em métodos de controle de peso. Desta forma, vemos que o comer bem passa a ser novamente a ser associado a status econômico e social, ou seja, “ainda hoje somos movidos pela demonstração de status relacionado ao poder econômico sobre o alimento”, contempla Amanda.

Amanda ainda acrescenta que a magreza exigida e desejada hoje tem um custo bem alto, enquanto que a magreza resultante da pobreza não tem nenhuma comprovação estética. Essa magreza exigida além de ser considerada um padrão de beleza, tem sido vista como um instrumento de poder, sucesso e felicidade (Flor, 2009; Sant'Anna, 2014)., como se o corpo fosse uma mercadoria e permitisse que os indivíduos criem relações e estabeleçam diferenças sociais (Knoop, 2008). Assim, o padrão, ironicamente, faz os indivíduos crerem que se o atingirem serão aceitos e amados socialmente.

Observamos assim que os padrões de beleza variam durante o tempo devido a características sociais, econômicas e políticas do período vivido. Faz todo o sentido dizermos, então, que a beleza é relativa, certo? Ou melhor, que esses padrões de beleza nem são a respeito de beleza! Agora, a pergunta que fica é: faz sentido definirmos nossa beleza individual por isso?

Referência:

KNOPP, GC. A influência da mídia e da indústria da beleza na cultura de corpolatria e na moral da aparência na sociedade contemporânea. Salvador, 28 mai 2008.

FLOR, G. Corpo, mídia e status social. Rev. Estud. Comum., Curitiba, v.10, n.23, p.267-274, set/dez. 2009.

SANT'ANNA, DB. História da beleza no Brasil. São Paulo: Contexto, 2014.


42 visualizações

Quer fazer parte da nossa lista no Telegram e receber conteúdo e todas novidades em primeira mão? Clique aqui!

Clique aqui e se inscreva na nossa lista exclusiva de e-mails e fique por dentro das novidades! Você também receberá o e-book "Como Começar? Um guia de quatro etapas para se tornar referência em uma Nutrição sem prescrição"

Tem dúvidas sobre nossas formações ou gostaria de nos contatar?

Entre em contato por e-mail ou WhatsApp:

* Todos os direitos reservados ao Instituto de Alimentação Consciente e Intuitiva 2019 / CNPJ: 30.569.638/0001-09