Alimentação Consciente e Intuitiva e Diabetes Mellitus podem andar juntos?


Quando uma pessoa recebe o diagnóstico de diabetes uma das primeiras coisas que ela ganha é uma listinha de alimentos proibidos e alimentos permitidos, não é mesmo?

E, claro, não há dúvidas que a orientação nutricional é imprescindível e deve servir como um guia para as escolhas alimentares. Todo paciente diabético ou com qualquer outra patologia em que a alimentação é fundamental para o controle deve receber orientação nutricional individualizada.

Mas receber este diagnóstico nem sempre é fácil, pois existem muitos estigmas sobre o DM. Por isso, diabéticos comumente não contam sobre o diagnóstico para seus familiares e amigos próximos o que dificulta a adesão à “alimentação diabética”, principalmente em ambientes públicos (WILLIG, 2014).

Willig et al (2014) mostrou que a não adesão ao tratamento nutricional é uma das principais fontes de estresse e sentimento de culpa para mulheres diabéticas tipo 2, o que aumentou a fome emocional, o comer reativo e, consequentemente, o níveis de glicose no sangue. Outro estudo, este realizado com adolescentes portadores de DM tipo 1 (WHEELER, 2016) mostrou que os adolescentes que praticavam hábitos alimentares impulsionados pela emoção (comer emocional) tinham pior controle glicêmico.

A percepção diminuída das sensações de fome e saciedade e a frustração por não gostar dos “alimentos permitidos” são mostrados nos estudos de Willig (2014) e Wheeler (2016) como fatores que dificultam a adesão à conduta nutricional. Fica assim bastante evidente que orientações nutricionais que focam em restrição alimentar não são eficientes a longo prazo para controle dos níveis de glicemia (WILLIG, 2014; WHEELER, 2016).

Orientações nutricionais tradicionais que focam nos alimentos “proibidos” e geralmente causam o efeito contrario ao esperado. Restrições impostas por profissionais de saúde ou auto-impostas causam hipervalorização ou desejo aumentado pelo alimento dito “proibido”, e desvalorização ou desinteresse pelo “permitido”. Ou seja, você acaba tendo muita vontade de comer o alimento “proibido” (o açúcar), e, em algum momento, quando se permite comer o “proibido”, acaba exagerando (efeito chamado desinibição do controle cognitivo – o famoso “já que eu já comi um, vou comer mais tantos e amanhã eu me controlo”). Essa desinibição pode resultar em um comer exagerado ou, até mesmo, em episódios de compulsão alimentar (saiba mais aqui), seguidos de sentimentos como culpa e frustração (BERNARDI, 2005).

Segundo Alvarenga, o Diabetes Mellitus (DM) é a situação clínica com mais resultados positivos quando trabalha-se a mudança de comportamento (ALVARENGA, 2015). A abordagem ACI (Alimentação Consciente e Intuitiva) foca na educação e na mudança de comportamento, por isso se diferencia da abordagem tradicional e é fundamental para desenvolver resultados positivos e duradouros.

Utilizar-se, então, desta abordagem diminuindo as distrações no momento da refeição, respeitando e respondendo aos sinais de fome e saciedade, permitindo-se comer sem categorizar alimentos como “proibidos” e “permitidos”, evitando usar a comida para lidar com as emoções e reconquistando a confiança na sabedoria interna mostra-se eficaz no controle de glicemia de pacientes diabéticos (WHEELER, 2016).

Além disso, comer intuitivamente e com atenção plena favorece a percepção de sensações corporais importantes para o controle glicêmico, como os estados e hiperglicemia e hipoglicemia (ALVARENGA, 2015). Por exemplo, se o alimento lhe causa um pico de glicemia, provavelmente você sentirá dificuldade de concentração, queda no nível de energia e, até mesmo, mudanças de humor. Perceber o que o alimento o faz sentir após comê-lo requer conexão e confiança nos sinais internos.

O segredo para administrar sua DM está em reencontrar sua capacidade inata de nutri-se e utilizar-se de suas pistas internas como guia! Ter um relacionamento saudável com a comida e responder aos sinais do seu corpo com respeito é tão importante quanto manter níveis de glicose dentro da faixa esperada!

Então, respondendo à nossa questão inicial: Sim! Alimentação Consciente e Intuitiva e Diabetes Mellitus podem e devem andar juntas!

Referências Bibliográficas

ALVARENGA, M, et al. Nutrição Comportamental. Barueri, São Paulo, Manoela, 2015.

BERNARDI F, et al. Comportamento de restrição alimentar e obesidade. Rev. Nutr., Campinas, 18(1):85-93, jan./fev., 2005

WHEELER BJ, et al. Intuitive eating is associated with glycaemic control in adolescents with type 1 diabetes mellitus. Appetite 96 (2016), 160-165. Disponível em: <http://www.sciencedirect.com/science/article/pii/S0195666315300271?via%3Dihub>. Acesso em 01/09/2017.

WILLIG AL, et al. Intuitive eating practices among African-American women living with type 2 diabetes: a qualitative study. J. Acad Nutr Diet. 2014 Jun;114(6):889-96. Disponível em: <https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pubmed/24699138>. Acesso em 01/09/2017.


57 visualizações

Quer fazer parte da nossa lista no Telegram e receber conteúdo e todas novidades em primeira mão? Clique aqui!

Clique aqui e se inscreva na nossa lista exclusiva de e-mails e fique por dentro das novidades! Você também receberá o e-book "Como Começar? Um guia de quatro etapas para se tornar referência em uma Nutrição sem prescrição"

Tem dúvidas sobre nossas formações ou gostaria de nos contatar?

Entre em contato por e-mail ou WhatsApp:

* Todos os direitos reservados ao Instituto de Alimentação Consciente e Intuitiva 2019 / CNPJ: 30.569.638/0001-09