O que influencia nossas escolhas alimentares?


“O homem é um ser onívoro, ou seja, tem a capacidade de comer de tudo, o que lhe dá liberdade de escolha alimentar”. (JOMORI, PROENÇA e CALVO, 2008)

Você sabia que em média, a maioria das pessoas faz mais de duzentas escolhas alimentares por dia?

E tendo em mente que cada escolha dessas é influenciada por diversos fatores, é importante que se considere quais são esses fatores que determinam ou influenciam as decisões alimentares. Vamos pensar que você faz 4 (quatro) refeições por dia (café da manhã, almoço, lanche da tarde e jantar). Quais as informações que foram processadas por você para escolher o que comer nesses momentos? Acredito que inúmeras. Segundo ALVARENGA et al ( 2015 ), entender a fundo como são elaboradas as decisões e quais são os fatores que a influenciam é fundamental, pois estas decisões são situacionais, dinâmicas, complexas e multifacetadas.

Segundo Paul Rozin, a escolha alimentar faz parte de um processo que consiste desde o despertar do interesse pela comida, a procura pela comida apropriada, a avaliação e a tomada de decisão de consumí-la, além de aquisição, processamento e ingestão.

No livro Nutrição Comportamental, se faz uma citação de Gains afirmando que entender as preferências alimentares dos indivíduos vai muito além de descobrir o que eles gostam ou não, sendo necessário compreender os motivos das preferências. Considera-se que o alimento apresenta características sensoriais, composição nutricional, imagens, embalagens e custos. E o consumidor (ou seja você), também possui características como personalidade, humor, status, cultura e hábitos que influenciam seus comportamentos em relação a escolha dos alimentos. E que, a decisão pela escolha, possui ainda influencia sobre onde, como, quando e com quem você se alimenta.

Ainda, o comportamento alimentar humano é multiderterminado por fatores psicobiológicos, que refletem as interações entre o estado fisiológico, o estado psicológico e as condições ambientais de um dado indivíduo. Sendo assim, a determinação da escolha do que comer, envolve a harmonização entre fatores internos e externos. Os fatores internos dizem respeito a neurotransmissores, hormônios, taxa metabólica, estados do sistema gastrointestinal, tecidos de reserva, formação de metabólitos e receptores sensoriais. Já os externos dizem respeito a características dos alimentos (sabor, familiaridade, textura, composição nutricional e variedade) e características do ambiente (temperatura, localidade, trabalho, oferta ou escassez de alimentos, assim como crenças sociais, culturais e religiosas).

Os fatores biológicos sempre foram os que precederam a investigação científica a respeito dos determinantes da escolha alimentar. As pesquisas referente a outros fatores determinantes nesse processo vieram mais tarde, e dentre esses se destaca os fatores sócio-culturais, emocionais e a influência da mídia (QUAIOTI e ALMEIDA , 2006). Assim, a comida é fornecedora de energia, fonte de prazer e recompensa e um vínculo social. Por isso, comida tem significado, sendo assim, as nossas escolhas refletem todas essas características.

Ainda, a influência sobre a decisão alimentar pode variar de acordo com a fase da vida. No começo da vida, prevalecem os sinais biológicos, somos comedores intuitivos nato – o bebê é um exemplo disso. No decorrer da vida, essas influências mudam em função do que vamos vivenciando e ouvindo. No meio da vida, essas decisões se modificam em função da aprendizagem dos sinais externos, e ao longo da vida adulta, prevalecem as crenças, atitudes e cognições (pensamentos) sobre comida (ALVARENGA et al, 2015).

Percebe-se assim que são vários os fatores que irão pesar na sua decisão de escolha alimentar, e serão eles que te permitirão refletir sobre o que você vai comer. Aqui deixo uma reflexão – o que têm influenciado as suas escolhas alimentares?

Referências:

ALVARENGA, MARLE et al. NUTRIÇÃO COMPORTAMENTAL. Barueri , São Paulo, Manole, 2015.

JOMORI, Manuela Mika; PROENCA, Rossana Pacheco da Costa; CALVO, Maria Cristina Marino. Determinantes de escolha alimentar. Rev. Nutr., Campinas , v. 21, n. 1, p. 63-73, Feb. 2008 . Available from <http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1415-52732008000100007&lng=en&nrm=iso>. access on 05 July 2017. http://dx.doi.org/10.1590/S1415-52732008000100007.

QUAIOTI, Teresa Cristina Bolzan; ALMEIDA, Sebastião de Sousa. Determinantes psicobiológicos do comportamento alimentar: uma ênfase em fatores ambientais que contribuem para a obesidade. Psicol. USP, São Paulo , v. 17, n. 4, p. 193-211, 2006 . Available from <http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0103-65642006000400011&lng=en&nrm=iso>. access on 01 July 2017. http://dx.doi.org/10.1590/S0103-65642006000400011.


2,369 visualizações

Quer fazer parte da nossa lista no Telegram e receber conteúdo e todas novidades em primeira mão? Clique aqui!

Cadastre-se abaixo para receber nosso e-book Como Começar: Um guia de 4 etapas para orientar o início da sua jornada em uma nutrição sem prescrição.

 

 

Tem dúvidas sobre nossas formações ou gostaria de nos contatar?

Entre em contato por e-mail ou WhatsApp:

* Todos os direitos reservados ao Instituto de Alimentação Consciente e Intuitiva 2019 / CNPJ: 30.569.638/0001-09