O que influencia nossas escolhas alimentares?


“O homem é um ser onívoro, ou seja, tem a capacidade de comer de tudo, o que lhe dá liberdade de escolha alimentar”. (JOMORI, PROENÇA e CALVO, 2008)

Você sabia que em média, a maioria das pessoas faz mais de duzentas escolhas alimentares por dia?

E tendo em mente que cada escolha dessas é influenciada por diversos fatores, é importante que se considere quais são esses fatores que determinam ou influenciam as decisões alimentares. Vamos pensar que você faz 4 (quatro) refeições por dia (café da manhã, almoço, lanche da tarde e jantar). Quais as informações que foram processadas por você para escolher o que comer nesses momentos? Acredito que inúmeras. Segundo ALVARENGA et al ( 2015 ), entender a fundo como são elaboradas as decisões e quais são os fatores que a influenciam é fundamental, pois estas decisões são situacionais, dinâmicas, complexas e multifacetadas.

Segundo Paul Rozin, a escolha alimentar faz parte de um processo que consiste desde o despertar do interesse pela comida, a procura pela comida apropriada, a avaliação e a tomada de decisão de consumí-la, além de aquisição, processamento e ingestão.

No livro Nutrição Comportamental, se faz uma citação de Gains afirmando que entender as preferências alimentares dos indivíduos vai muito além de descobrir o que eles gostam ou não, sendo necessário compreender os motivos das preferências. Considera-se que o alimento apresenta características sensoriais, composição nutricional, imagens, embalagens e custos. E o consumidor (ou seja você), também possui características como personalidade, humor, status, cultura e hábitos que influenciam seus comportamentos em relação a escolha dos alimentos. E que, a decisão pela escolha, possui ainda influencia sobre onde, como, quando e com quem você se alimenta.

Ainda, o comportamento alimentar humano é multiderterminado por fatores psicobiológicos, que refletem as interações entre o estado fisiológico, o estado psicológico e as condições ambientais de um dado indivíduo. Sendo assim, a determinação da escolha do que comer, envolve a harmonização entre fatores internos e externos. Os fatores internos dizem respeito a neurotransmissores, hormônios, taxa metabólica, estados do sistema gastrointestinal, tecidos de reserva, formação de metabólitos e receptores sensoriais. Já os externos dizem respeito a características dos alimentos (sabor, familiaridade, textura, composição nutricional e variedade) e características do ambiente (temperatura, localidade, trabalho, oferta ou escassez de alimentos, assim como crenças sociais, culturais e religiosas).

Os fatores biológicos sempre foram os que precederam a investigação científica a respeito dos determinantes da escolha alimentar. As pesquisas referente a outros fatores determinantes nesse processo vieram mais tarde, e dentre esses se destaca os fatores sócio-culturais, emocionais e a influência da mídia (QUAIOTI e ALMEIDA , 2006). Assim, a comida é fornecedora de energia, fonte de prazer e recompensa e um vínculo social. Por isso, comida tem significado, sendo assim, as nossas escolhas refletem todas essas características.

Ainda, a influência sobre a decisão alimentar pode variar de acordo com a fase da vida. No começo da vida, prevalecem os sinais biológicos, somos comedores intuitivos nato – o bebê é um exemplo disso. No decorrer da vida, essas influências mudam em função do que vamos vivenciando e ouvindo. No meio da vida, essas decisões se modificam em função da aprendizagem dos sinais externos, e ao longo da vida adulta, prevalecem as crenças, atitudes e cognições (pensamentos) sobre comida (ALVARENGA et al, 2015).

Percebe-se assim que são vários os fatores que irão pesar na sua decisão de escolha alimentar, e serão eles que te permitirão refletir sobre o que você vai comer. Aqui deixo uma reflexão – o que têm influenciado as suas escolhas alimentares?

Referências:

ALVARENGA, MARLE et al. NUTRIÇÃO COMPORTAMENTAL. Barueri , São Paulo, Manole, 2015.

JOMORI, Manuela Mika; PROENCA, Rossana Pacheco da Costa; CALVO, Maria Cristina Marino. Determinantes de escolha alimentar. Rev. Nutr., Campinas , v. 21, n. 1, p. 63-73, Feb. 2008 . Available from <http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1415-52732008000100007&lng=en&nrm=iso>. access on 05 July 2017. http://dx.doi.org/10.1590/S1415-52732008000100007.

QUAIOTI, Teresa Cristina Bolzan; ALMEIDA, Sebastião de Sousa. Determinantes psicobiológicos do comportamento alimentar: uma ênfase em fatores ambientais que contribuem para a obesidade. Psicol. USP, São Paulo , v. 17, n. 4, p. 193-211, 2006 . Available from <http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0103-65642006000400011&lng=en&nrm=iso>. access on 01 July 2017. http://dx.doi.org/10.1590/S0103-65642006000400011.


1,244 visualizações

Quer fazer parte da nossa lista no Telegram e receber conteúdo e todas novidades em primeira mão? Clique aqui!

Clique aqui e se inscreva na nossa lista exclusiva de e-mails e fique por dentro das novidades! Você também receberá o e-book "Como Começar? Um guia de quatro etapas para se tornar referência em uma Nutrição sem prescrição"

Tem dúvidas sobre nossas formações ou gostaria de nos contatar?

Entre em contato por e-mail ou WhatsApp:

* Todos os direitos reservados ao Instituto de Alimentação Consciente e Intuitiva 2019 / CNPJ: 30.569.638/0001-09